segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Mais um novo ano

E para ali estamos. Quietos, parados, eternamente esperando, na triste ilusão de que a simples transposição de barreiras temporais ilusórias mudará alguma coisa nas nossas vidas. Somente porque o tempo passa. E sem nos apercebermos, para ali vamos ficando, e esperando, e esperando, e esperando, alheios a uma realidade que, num grito mudo, nos exige que sejamos nós a fazer alguma coisa para que ela de facto possa mudar.

2 comentários:

Mariparva disse...

cá está que 'pode ser que algo mude para que tudo fique na mesma'.

Metacrítico disse...

Olha, gostei da frase =)