sábado, 20 de agosto de 2011

O Vazio

Noélia chega à sua modesta casa despida de luz e de gente após mais um cansativo dia de trabalho. E como é costume chega faminta, pensa ela dirigindo-se apressada para as caixas de gelado no velho congelador. Há vários dias, meses ou anos, já a memória não lhe sabe dizer, que sempre que entra naquela modesta casa despida de gente e de luz, sente um vazio no fundo do estômago. E então come. E come, e come, come Noélia sem parar, mas nunca, por mais que coma, se consegue saciar. Pobre Noélia, de gelado lambuzada e lágrimas a escorrer, que por entre as colheradas vãs não vê ou não quer ver que o vazio que sente no bucho, é no fundo da sua alma que realmente está.

2 comentários:

T disse...

É caso para continuar. A minha única crítica é que "Noélia" parece nome jocoso de bovino...

P.S. - Isso é baseado numa história real que nós os dois cá sabemos?

Metacrítico disse...

Coitada da Noélia, não lhe bastava já o resto, tinha de ter também nome de bovino... =P

Em relação ao P.S., não sei se é de ter acabado de acordar, mas não estou mesmo a ver do que estás a falar.